sábado, 19 de abril de 2014

Bem-feitores anônimos


Como o próprio vídeo diz, estas pessoas jamais ficarão famosas. O que sempre restaura minha esperança na humanidade é saber que ainda podemos encontrar pessoas que estão preocupadas com o bem estar das outras pessoas independente de parentesco ou interesse.

Infelizmente, ser gente boa de fato não lhe trará recompensas ou reconhecimento. A recompensa real disso é o poder e propagação dos pequenos gestos. Coisas que muitas vezes passam despercebidas, mas que causam um bem-estar enorme na pessoa que o recebeu. Não é preciso dinheiro para se fazer caridade ou ter poder para gerar oportunidades, muitas vezes é preciso apenas um pequeno empurrão para perceberem que à frente não existe um abismo e, sim, uma escada e que são capazes de subi-la. Claro que existem os mal-intencionados, mas, se não ajudarmos ninguém devido à parcela mal-intencionada das pessoas, estaremos reduzindo o potencial humano na Terra.

Parece exagero de minha parte o que acabei de escrever mas, se abstrairmos de nosso cotidiano e de nossa percepção temporal, tudo ganha tamanho. O tempo dá dimensão às coisas, a história como a conhecemos é marcada pelo tempo e somente percebemos mudanças significativas quando olhamos pra trás. O ser humano (não de modo geral infelizmente e propositalmente) não foi educado para ter visão do futuro. Desconhecemos o passado, estamos presos ao nosso presente (dia a dia) e não pensamos no futuro pois estamos ocupados demais sobrevivendo. Estes pequenos gestos de ajuda, em médio/longo tempo, transformam a sociedade e reduzem o sofrimento.

Não estou falando que ajudar a todos deixará o mundo inteiro rico uma vez que riqueza é um termo discutível e discutível em várias esferas, mas, do ponto de vista da vida humana, todos temos potencial. Este potencial que cada um de nós possui, quando observado no coletivo e cultivado, transforma o futuro. Para cada pessoa que consegue superar suas dificuldades, um mar de possibilidades é aberto e suas águas banham outros territórios.


Heróis anônimos, eu costumo usar esse termo para descrever o por que de se fazer o bem e encaixa-se perfeitamente no vídeo. Além do que o vídeo apontou, gostaria de adicionar a importância que os heróis "invisíveis" também fazem em nossa vida. Muitas vezes não sabemos, mas recebemos ajuda ou oportunidades de pessoas que estão ao nosso redor, mas não temos conhecimento de sua influência ou ações. Não quero começar uma discussão causal ou religiosa, mas é importante e no mínimo interessante e respeitoso observar os movimentos que a vida faz ao nos trazer coisas boas e perceber que a bondade e caridade às vezes podem ter limites em termos de dinheiro, mas não de alcance.


Já que citei religião, uma pequena nota. Respeito. Tanto para quem crê quanto para quem não crê. O amor não tem pátria, cor, bandeira, partido ou endereço. Se uma pessoa persevera por sua convicção ou pela crença, respeite. O amor ao próximo é o mesmo, seja ele praticado por quem for, desde que seja autêntico. Índole não define a religião ou a não-religião.

Finalizando, para você que tem um bom coração, guarde-o e proteja-o. Ajudar o próximo é um gesto nobre e comumente confundido com tolice. O vídeo representou muito bem isso na cena da mãe com a filha na calçada, mas acredite, apesar das reprovações e privações que poderá ter devido ao ato, as chances de você ter provocado um bem que será escalar ao longo do tempo é grande. Algumas pessoas tentarão puxá-lo para baixo ou desencorajar pois nem todas elas vivem em sociedade, apenas vivem na sociedade. Seja forte e saiba que, como parte da raça humana, você fez e faz parte daqueles pequenos fragmentos da história que nem sempre ouvimos falar, mas que estão lá e fizeram toda a diferença do mundo.

Nenhum comentário: